CFPB anuncia ação judicial contra MoneyLion

O Consumer Financial Protection Bureau (CFPB) entrou com uma ação contra o credor online MoneyLion.A agência federal alega que o credor, que fornece adiantamentos em dinheiro sem juros e outros produtos e serviços financeiros, enganou e sobrecarregou membros do serviço militar e suas famílias, e também mentiu sobre a capacidade dos clientes de cancelar sua associação.

Principais conclusões

  • A MoneyLion violou a Lei de Empréstimos Militares e a Lei de Proteção Financeira ao Consumidor, de acordo com o CFPB.
  • A agência federal também acusou o credor online de enganar os clientes sobre sua capacidade de cancelar suas associações a qualquer momento.
  • O CFPB enfatiza que sua reclamação contra a MoneyLion não constitui uma decisão final de que o credor violou a lei.

MoneyLion em Água Quente com o CFPB

O CFPB optou por tomar uma ação legal contra o credor online e a plataforma de banco móvel por violar a Lei de Empréstimos Militares e a Lei de Proteção Financeira ao Consumidor.De acordo com a agência federal, o credor, que oferece adiantamentos em dinheiro de 0% APR, um empréstimo para construção de crédito, serviços bancários e de investimento e muito mais, se engajou no seguinte:

  • Cobrar em excesso e enganar os membros da comunidade militar: Além das taxas de juros dos empréstimos, o credor cobrava taxas de adesão que excediam o limite de 36% da taxa de juros estabelecido pela Lei de Empréstimos Militares.Como tal, os empréstimos foram anulados, mas a MoneyLion continuou a representar que os mutuários deviam pagamentos e taxas.
  • Recusar cancelamentos de associação: o credor exige que os consumidores participem de um programa de associação para aproveitar seu empréstimo parcelado, com uma taxa mensal de US$ 19,99 a US$ 29.A MoneyLion também levou os clientes a acreditar que poderiam cancelar sua associação a qualquer momento, mas recusou cancelamentos se o membro tivesse um saldo de empréstimo pendente.Em outros casos, o credor recusou pedidos de cancelamento se o cliente pagasse o empréstimo, mas tivesse taxas de adesão não pagas.

Em um comunicado à imprensa, o diretor do CFPB, Rohit Chopra, afirmou: “As empresas estão infringindo a lei quando exigem taxas mensais de associação para obter empréstimos e, em seguida, criam barreiras para cancelar essas associações”.

O processo cita a MoneyLion Technologies e 38 de suas subsidiárias como réus.Você pode ler a denúncia completa no site do CFPB.