Razão dívida/PIB

Qual é a relação dívida/PIB?

A relação dívida/PIB é a métrica que compara a dívida pública de um país com seu produto interno bruto (PIB). Ao comparar o que um país deve com o que produz, a relação dívida/PIB indica de forma confiável a capacidade daquele país em particular de pagar suas dívidas.Muitas vezes expresso em porcentagem, esse índice também pode ser interpretado como o número de anos necessários para pagar a dívida se o PIB for dedicado inteiramente ao pagamento da dívida.

Principais conclusões

  • A relação dívida/PIB é a relação entre a dívida pública de um país e seu produto interno bruto (PIB).
  • A relação dívida/PIB também pode ser interpretada como o número de anos que levaria para pagar a dívida se o PIB fosse usado para pagamento.
  • Quanto maior a relação dívida/PIB, menor a probabilidade de o país pagar sua dívida e maior o risco de inadimplência, o que pode causar pânico financeiro nos mercados doméstico e internacional.
1:08

Razão Dívida/PIB

Fórmula e Cálculo da Razão Dívida/PIB

A relação dívida/PIB é calculada pela seguinte fórmula:

Dívida ao PIB = Dívida Total do País PIB Total do País begin{aligned} &text{Dívida ao PIB} = frac{ text{Dívida Total do País} }{ text{PIB Total do País} } end{aligned} Dívida ao PIB=PIB Total do PaísDívida Total do País

Um país capaz de continuar pagando juros sobre sua dívida – sem refinanciamento e sem prejudicar o crescimento econômico – geralmente é considerado estável.Um país com uma alta relação dívida/PIB normalmente tem problemas para pagar dívidas externas (também chamadas de “dívidas públicas”), que são quaisquer saldos devidos a credores externos.Nesses cenários, os credores tendem a buscar taxas de juros mais altas ao emprestar.

Rácios dívida/PIB extremamente elevados podem dissuadir os credores de emprestar dinheiro por completo.

O que a relação dívida/PIB pode lhe dizer

Quando um país dá calote em sua dívida, muitas vezes desencadeia pânico financeiro nos mercados doméstico e internacional.Como regra, quanto maior a relação dívida/PIB de um país, maior se torna o risco de inadimplência.

Embora os governos se esforcem para reduzir seus índices de dívida em relação ao PIB, isso pode ser difícil de conseguir durante períodos de agitação, como tempos de guerra ou recessão econômica.Em climas tão desafiadores, os governos tendem a aumentar os empréstimos para estimular o crescimento e impulsionar a demanda agregada.Essa estratégia macroeconômica é atribuída à economia keynesiana.

Economistas que aderem à teoria monetária moderna (MMT) argumentam que nações soberanas capazes de imprimir seu próprio dinheiro nunca podem falir, porque podem simplesmente produzir mais moeda fiduciária para pagar dívidas.No entanto, essa regra não se aplica a países que não controlam suas políticas monetárias, como os países da União Europeia (UE), que devem contar com o Banco Central Europeu (BCE) para emitir euros.

Bom vs.Índices de inadimplência em relação ao PIB

Um estudo do Banco Mundial descobriu que países cujas relações dívida/PIB excedem 77% por períodos prolongados experimentam desacelerações significativas no crescimento econômico.Definitivamente, cada ponto percentual de dívida acima desse nível custa aos países 0,017 pontos percentuais em crescimento econômico.Esse fenômeno é ainda mais pronunciado nos mercados emergentes, onde cada ponto percentual adicional de dívida acima de 64% ao ano desacelera o crescimento em 0,02%.

124,7%

Dívida em relação ao PIB dos EUA no primeiro trimestre de 2022 – quase o dobro dos níveis do início de 2008, mas abaixo da alta histórica de 135,9% vista no segundo trimestre de 2020.

Os EUA têm uma dívida em relação ao PIB superior a 77% desde o 1T 2009.Para colocar esses números em perspectiva, a maior relação dívida/PIB dos EUA era anteriormente de 106% no final da Segunda Guerra Mundial, em 1946.

Os níveis de dívida caíram gradualmente de seu pico pós-Segunda Guerra Mundial, antes de se estabilizar entre 31% e 40% na década de 1970 – atingindo um mínimo histórico de 23% em 1974.Os índices aumentaram constantemente desde 1980 e, em seguida, aumentaram acentuadamente após a crise imobiliária de 2007 e o subsequente colapso financeiro.

O estudo histórico de 2010 intitulado "Crescimento em Tempo de Dívida", conduzido pelos economistas de Harvard Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff, pintou um quadro sombrio para países com altos índices de dívida em relação ao PIB.No entanto, uma revisão de 2013 do estudo identificou erros de codificação, bem como a exclusão seletiva de dados, o que supostamente levou Reinhart e Rogoff a tirar conclusões errôneas.

Considerações Especiais

O governo dos EUA financia sua dívida emitindo títulos dos EUA.Tesouros, que são amplamente considerados os títulos mais seguros do mercado.Os países e regiões com as 10 maiores participações da U. S.As tesourarias (em maio de 2022) são as seguintes:

  1. Japão: US$ 1,21 trilhão
  2. China: US$ 981 bilhões
  3. Reino Unido: US$ 634 bilhões
  4. Suíça: US$ 294 bilhões
  5. Ilhas Cayman: US$ 293 bilhões
  6. Luxemburgo: US$ 292 bilhões
  7. Irlanda: US$ 289 bilhões
  8. Bélgica: US$ 268 bilhões
  9. França: US$ 244 bilhões
  10. Brasil: US$ 233 bilhões
  11. Taiwan: US$ 231 bilhões

Qual é o principal risco de uma alta relação dívida/PIB?

Os elevados rácios dívida/PIB podem ser um indicador chave do aumento do risco de incumprimento para um país.A inadimplência dos países pode desencadear repercussões financeiras globalmente.

Como a teoria monetária moderna (MMT) vê a dívida nacional?

A teoria monetária moderna (MMT) sugere que os países soberanos não precisam depender de impostos ou empréstimos para gastar, pois podem imprimir o quanto precisarem.Como seus orçamentos não são limitados, como no caso de famílias comuns, suas políticas não são moldadas pelo medo de uma dívida nacional crescente.

Quais países têm os maiores índices de dívida em relação ao PIB?


A partir de 2020, dos países para os quais o FMI tinha dados disponíveis, a Venezuela tinha o nível mais alto de relação dívida do governo geral em relação ao PIB, com 304%.Em seguida veio o Japão, com leitura de 254%.Os EUA ficaram em 6º lugar com uma relação dívida/PIB de 134%.